Mondial de la Bière 2018 em SP e RJ, é hora de expandir?
O evento, que já está em sua sexta edição no Rio de Janeiro, com público crescente e muitas polêmicas, neste ano estreará em São Paulo

O Mondial de la Bière é sem dúvidas um dos maiores eventos cervejeiros que ocorrem atualmente no país. Criado no Canadá e presente no Rio de Janeiro desde 2013, o evento atraiu durante seus 5 dias de duração no ano passado, cerca de 50 mil pessoas à região portuária do Rio, onde o evento acontece desde 2015.

Neste ano, a grande novidade é a edição marcada para rolar também em São Paulo, entre 17 e 20 de maio, no São Paulo Expo. A ideia do festival é reunir uma experiência completa de degustação de cervejas artesanais, em sua maioria brasileiras, incluindo ainda área gourmet com diversos food trucks, atrações musicais durante todos os dias do evento e o público de apaixonados por cervejas especiais. O evento abriga ainda o concurso MBeer Contest Brazil, que elege as melhores cervejas do evento.

Apesar de São Paulo possuir um excelente público consumidor de cervejas artesanais (graças ao trabalho das micro cervejarias espalhadas pelo estado), o Mondial de la Bière em si é uma excelente experiência mesmo para aqueles que não são tão apaixonados por cervejas artesanais ainda. Isso porque o evento conta com presença variada de expositores, incluindo desde cervejarias ciganas regionais, micro cervejarias, distribuidoras, importadoras e até as gigantes do setor, como a Ambev e outras.

A edição carioca irá ocorrer entre 5 e 9 de setembro de 2018, nos armazéns 2, 3 e 4 do Pier Mauá, mesmo local das últimas edições. 

Em 2017 foram mais de 1000 rótulos de mais de 150 cervejarias disponíveis ao público dos estados do Rio, São Paulo, Minas Gerais, Curitiba, Rio Grande do Sul e outros estados brasileiros. 

PROBLEMAS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

O público do evento foi maior que o ano anterior, bem como as polêmicas relacionadas aos problemas que tem ocorrido recorrentemente nesses grandes eventos cervejeiros ultimamente. Copos com marcação errada lesando o público e os expositores, filas para compra de créditos, não devolução de saldo restante nos cartões, créditos que sumiram dos cartões, chopeiras elétricas de expositores queimadas, são algumas das reclamações de quem esteve presente na última edição. 

Sobre a polêmica dos copos no ano passado, alguns visitantes ainda reclamam nas redes sociais não ter recebido reembolso algum da Fagga, a organizadora do evento. Alguns expositores também solicitaram reembolso de perdas geradas ao longo do evento devido ao erro de marcação.

Seria hora de expandir ou focar na solução dos problemas de sempre?

Infelizmente, problemas como esses atualmente não estão restritos apenas ao Mondial de la Bièrre e seus organizadores. Para complementar a lista, recentemente houve um caso em um outro festival de grande porte, o Festival Brasileiro da Cerveja, onde uma queda de sistema em pleno pico de consumo gerou insatisfação do público e provavelmente ocasionou perdas financeiras aos expositores. 

Estamos em 2018, servidores de dados elásticos e redundantes na nuvem já são uma realidade da década passada, mas ainda assim o público que frequenta eventos brasileiros de cerveja precisam lidar com problemas de sistemas que saem do ar ou ainda, sistemas que não possuem confiabilidade no registro das transações de consumo dos cartões "cashless" utilizados atualmente. Muitos se perguntam até onde é válida a economia dos organizadores de evento na hora de contratar o parceiro de tecnologia, uma vez que tantos erros tem sido cometidos.

CRESCIMENTO DOS EVENTOS

Segundo o site do Festival Brasileiro da Cerveja, que ocorre anualmente em Blumenau, neste ano foram 35 mil visitantes que passaram pelo evento entre 6 e 9 de março. Mais de 475 cervejarias inscreveram 2859 rótulos no concurso e mais de 100 cervejarias estiveram presentes com stands montados no evento. São números impressionantes.

Segundo informações do site oficial do Mondial de la Bière, foram 50 mil visitantes no evento em 2017, 48 mil em 2016, 38 mil em 2015, 25,8 mil em 2014 e cerca de 20 mil pessoas na primeira edição, que ocorrera na Praça Onze no Rio, em novembro de 2013.

Com exceção de uma certa estagnação do tamanho do público entre os eventos de 2017 e 2016, o crescimento entre os anos anteriores do Mondial de la Bière é bastante considerável, o que por si só já justificaria melhores investimentos em infraestrutura por parte dos organizadores. Em número de visitantes, desde 2015 o evento já é maior que o FBC, que atualmente está em sua décima edição.

AUMENTO DE MARKETSHARE?

Se esse aumento crescente de público é fruto de um possível aumento da fatia do mercado consumidor de cerveja artesanal no estado do Rio ou se é apenas um planejamento de marketing e vendas sendo melhor executado ano a ano pelos organizadores de eventos, ainda não há dados suficientes para explicar essas questões. 

Também ainda não conseguimos responder com exatidão o quanto que eventos como o MdlB e o FBC contribuem para o aumento de público consumidor ou se apenas se restringem a reunir consumidores atuais, entusiastas e profissionais do ramo dentro de pavilhões.

O fato é que junto com esse aparente crescimento quantitativo, a "régua de qualidade" desse público também tende a subir e os organizadores de eventos e empresários do ramo cervejeiro precisam estar mais atentos não apenas para o crescimento de sua fatia de mercado, mas também para o aumento de qualidade daquilo que se propõem a fazer, objetivando retenção do público atual e crescimento sustentável ao longo prazo.

Experiências frustrantes no relacionamento com o público certamente afastam mais consumidores do que os retém e em tempos de crise, onde o consumo é mais consciente, empresários e organizadores de eventos oportunistas tendem a ficar para trás também.

FBC2018 em Blumenau: 35 mil visitantes

FBC2018 em Blumenau: 35 mil visitantes

SUA REAÇÃO?

Conversas no Facebook



Conversas no Disqus